Nessa terça feira dia 22 de abril, professores e lideranças indígenas de todo o estado de Pernambuco, ocuparam em Pernambuco as GRE – Gerencia Regional de Educação de Floresta, Salgueiro e Arco Verde, essa ação dos povos foi de reivindicar a regularização e contratações de professores, merendeiros, auxiliares de serviços gerais e transporte escolar. Pois muitos desses profissionais, não vinham recebendo seus pagamentos, e isso estavam prejudicando não apenas eles, mas também seus alunos, pois o aumento considerado do quantitativo de alunos nas escolas indígenas do estado, foi muito grande desde a estadualização em 2002, e por isso o aumento do quadro de funcionários é de fato necessário, e mais necessário ainda é que eles recebam por seus serviços prestados.
reuniaoPor conta dessa manifestação, nessa quarta feira dia 23 de abril, foi realizada uma reunião em Arco Verde com Representantes da Secretaria de Educação do Estado, Coordenadores das GRE de Arco Verde, Salgueiro e Floresta, Caciques, Lideres dos povos e membros da COPIPE – Comissão de Professores Indígenas de Pernambuco, nessa reunião foi negociada as reivindicações dos povos, onde os representantes do Estado se comprometeram em cumprir todos os pedidos dos povos, num prazo de 45 dias, ou seja, até o final de maio. E como a manifestação, a reunião em Arco Verde também foi tranqüila pacifica, em nenhum momento ouve estresse de nenhum dos lados, e após a promessa de que todos os pedidos serão acatados foi dado o termino das manifestações e ocupações das GRE, mas os lideres ressaltaram que se em 45 dias as contratações de professores, merendeiros e auxiliares de serviços gerais não forem concretizadas, e os pagamentos desses profissionais e dos transportes escolares não forem regularizados, serão realizados novos protestos em nível de estado.
Não foi dito na onde e nem como, mas que se as reivindicações não forem atendias os povos indígenas de Pernambuco, iram marchar novamente em busca de melhoria na qualidade de uma educação escolar indígena de seus povos. Mas enquanto não se passa os 45 dias, se retorna a esperança e a convicção, que tudo deu certo e vai dar certo, e acreditamos que todos os mais de 12 pajés indígenas que existe no estado de Pernambuco, farão suas orações para que mais essa batalha seja vencida. Pois é uma vergonha, que para que alguma coisa andar nesse país, tem que ser na base de manifestações e protestos, mas um dia isso pode ser diferente.